Paris on Saturdays

No sábado passado, em Paris, foi dia de compras nas galerias Lafayette e, dia de ir ao Centre Pompidou , ver Marcel Duchamp. Podem ver a exposição até dia 5 de Janeiro! Divirtam-se 🙂

Last Saturday, in Paris, was a day of shopping at the Galeries Lafayette and also day to go to the Centre Pompidou, see Marcel Duchamp.  You can see the exhibition until January 5th. Have fun 🙂

image4

image6

image3

unnamed

image1(1)

image1

LOOK:

Capa, camisola, saia, botas e chapéu : ZARA (all from ZARA)

Mini Clutch- Givenchy

Oculos/ Glasses – Louis Vuitton

Anúncios

Just another ordinary day

IMG_6127.JPG

Acordei, tomei banho, vesti-me, preparei café e fiquei a deliciar-me, enquanto via as lojas a abrir, os locais a passear os seus cães e decidia o que queria fazer durante o dia!

Adoro um café caseiro, quente. Muito quente!
Hora de sair, passar no mercado de Natal, nos Champs-Élysees, para comprar um crepe e seguir caminho até à Catedral de Notre-Dame. Fui de tuk-tuk, são 20€, mas vale a pena pelo passeio, ficamos a conhecer o caminho e assim, podemos optar por regressar a pé. É um monumento imperdível, uma das maiores representações de arte gótica, do Mundo!

IMG_6149.JPG

O estilo da arquitetura é galo-romana e foi construída na Idade Média. Aconselho a visitar a igreja por dentro e, subir para contemplar não só a vista sobre Paris, como as escadarias e refúgios. Acho um lugar mágico, faz parte do nosso imaginário, do filme ” O corcunda de Notre-Dame”, as gárgulas, sinos e, até podemos ver a torre onde o Quasímodo se refugiava, não é fantástico?!

Acredita-se que as gárgulas eram postas nas Catedrais Mediavais, para que as pessoas nunca se esquecessem de que o demônio nunca dorme, era preciso estarem atentas, até mesmo nos locais sagrados.

No filme, Quasímodo, nome que significa ” mal-acabado”, tinha apenas como amigos, três gárgulas que durante a noite deixavam de ser pedra e ganhavam vida! Para quem leu o livro, há muita coisa diferente, eu geralmente prefiro os livros, são mais completos, mas , aqui não!

IMG_6163.JPG

IMG_6167.JPG

Hora de ir embora, não subi à torre, estava uma fila interminável. Queria passear sem pressas, passar pela ponte das artes, não para colocar um cadeado, mas para tirar umas fotos. Se um dia decidir jurar ali amor eterno, quero que seja especial, não ir ali colocar um cadeado só porque sim.
Antes de chegar à pont des arts, paramos para um chocolate quente.

IMG_6182.JPG

IMG_6339.JPG

E aqui estou eu, onde centenas de enamorados juram amor eterno, sem dúvida é uma ponte especial que atrai os turistas e os apaixonados.

IMG_6203.JPG

IMG_6217.JPG

IMG_6222.JPG

Andar de metro em Paris é rápido, simples e barato! Eu quero sempre ficar num hotel perto da place de la concorde, para mim é um ponto chave. Perto do louvre, aos pés dos Champs- Élysees e, para quem quiser i até à Torre Eiffel, eu o ano passado fui a pé. Faz-se bem. Procurem hotéis na place de la Madeleine, é ótimo!

IMG_6194.JPG

IMG_6258.JPG

IMG_6199.JPG

Desta vez, não fui em modo turista. Não tive pressa, nao visitei nem metade, mas há sempre coisas para se fazer em Paris e, aos poucos, tentar sentir-me uma ” parisiense “!

LOOK OF THE DAY:

All from ZARA/ glasses L.V/ Prada bag

Das trincheiras a Paris!

Quando era miúda, brincava horas e horas sozinha, geralmente no meu quarto. Sempre fui muito feminina, muito fantasiosa e apaixonada por barbies! Aos treze anos ainda fingia ser a Rose do “Titanic “! Vestia roupas e inventava personagens. Via muitos filmes e depois, sonhava que era a princesa ou a super heroína do filme em questão! Tudo isto para dizer que nunca ( infelizmente) fui a pró do skate, patins e nem mesmo bicicleta! Ora, como posso ser uma parisiense se não andar de bicicleta na perfeição? Não saber andar de saltos já é mau, não saber andar de bicicleta é péssimo! Mas eu ando, só não fui capaz de me aventurar pelas ruas movimentadas da cidade-luz. Fiquei pela Madeleine. Vesti o meu trench coat da Burberry, um must-have para todas as mulheres . É caro, tem de ser visto como um investimento. Dura anos. Pode passar de mãe, para filhos. Uma herança. É uma gabardine que foi criada para os oficiais britânicos. Como o nome indica, casaco de trincheira. Em 1895 foi usada na guerra boer. O famoso modelo foi desenvolvido em 1914, por soldados na 1 Grande Guerra Mundial. Mais de cem anos depois, este casaco é um ícone da moda, é intemporal. Há quem ache a marca muito ” clássica “, usada pelos ” velho”. Eu não concordo nada. A marca tem várias linhas, tem vindo a rejuvenescer e prova disso é a linha Prorsum e a London! Não fosse a minha querida Cara Delevigne a cara desta nova campanha. Para quem não tem ” cash” para fazer este pequeno-grande investimento, a Zara tem modelos parecidos, giros e a preços muito acessíveis. Mas sonhar não custa, podem sempre ter colocar na vossa wish list, uma gabardine da heritage collection. Se é para perder a cabeça, acreditem que vai poder usar este casaco até irem para o caixão!
Vou usá-lo para ir para a guerra. Literalmente! Com o Inverno à porta…
O resto da roupa, é Zara 🙂

IMG_6410.JPG

IMG_6473.JPG

IMG_6469.JPG

IMG_6472.JPG

IMG_6471.JPG

IMG_6476.JPG

IMG_6402.JPG